sexta-feira, agosto 26, 2016

Papisa

Desde o ano passado, quase todas as vezes que li as cartas do tarô, eu peguei a carta da papisa. Como pode isso?

BM 2016

Decidir honrar os compromissos e não ir pro Burning Man mas essa decisão está me causando uma baita ansiedade. Não consigo relaxar, não consigo dormir. Nunca fiquei tão agoniada com a ideia de não ir pro Burning Man.
Acho que quando a gente lida com a morte, a gente não quer mais desperdiçar as oportunidades e as chances de novas experiências.
Daí pensei, de repente planejo uma viagem pra um lugar que eu não conheça e mesmo assim, não me animei. Hoje me dou conta que até já viajei bastante mas geralmente pra lugares onde já tinha amigos. Ir pra um lugar desconhecido sozinha não me anima mais.
E a ideia do Burning Man voltou porque hoje em dia é um festival tão internacional que é uma experiência única conhecer gente do mundo inteiro num ambiente que mais parece outro planeta.

quinta-feira, agosto 25, 2016

Overthinking

Três pessoas me disseram essa semana que eu penso demais. Isso eu já sei. Falta aprender a resolver esse problema. 

terça-feira, agosto 23, 2016

TTITD

Os veteranos chamam o Burning Man de TTITD - That Thing in the Desert (Aquela Coisa no Deserto).
Passei o ano todo achando que minha vida de burner tinha acabado. Cansei da poeira, do deserto, do calor excessivo durante o dia e do frio excessivo de noite e acho que o Burning Man já me providenciou os ensinamentos necessários. Quero praia e árvores.

Mas este mês sinto algo me chamando praquele lugar. Há anos não sentia essa vontade extrema de ir. Necessidade de novas experiências? Necessidade de conexão? De inspiração? Necessidade de mais cura? De dançar? De abraços?
Noite passada até li as cartas de tarô e chego no meu quarto, minha imagem do Burning Man caída pela primeira vez (foto). Outro sinal?

Mas a grana tá curta. É muito gasto. E agora me comprometi a trabalhar em outro festival.
Fico entre a responsabilidade e a intuição. Escrevi pra uma amiga ontem que também lê tarô e ficamos comparando leituras e ela respondeu:
Esse é sempre o impasse (em relação a dinheiro). Às vezes, as circunstâncias que auxiliam o seu crescimento pessoal entram em conflito direto com a necessidade de sobrevivência / compromissos. Todos nós passamos por isso. Mas as cartas estão manifestando algo muito real dentro de você que está te dizendo para ir. Se é assim tão importante, será que vale a pena ignorá-lo? Há momentos em que os compromissos são mais importantes, e há momentos que são cruciais para o seu crescimento pessoal que tem benefícios incalculáveis que você ainda não pode ver.

Essa Megui indecisa, imprevisível e espontânea às vezes é difícil de lidar, principalmente quando entra em conflito com o lado responsável adulto e racional. Mas vou te dizer, geralmente não curto decidir as coisas sozinhas. Um empurrãozinho sempre cai bem. Essa vontade de me jogar em tudo e não poder abraçar duas opções ao mesmo tempo e ter que dizer não pra uma das opções...argh! Vida dura de uma geminiana.

domingo, agosto 14, 2016

Trilogia de Richard Trinklater

Faz muito tempo que evito filmes de romance mas a trilogia Antes do Amanhecer, Antes do Por do Sol e Antes da Meia-Noite surgiu em algumas conversas e resolvi encarar. Lembro que amei os dois primeiros quando assisti mais de 10 anos atrás. Os diálogos de Ethan Hawk e Julie Delpy são fantásticos e a gente sempre se identifica um pouco com o personagem, no meu caso muito com o segundo filme principalmente a cena do carro.
Mas não gosto do efeito que filmes de romance tem na minha cabeça. Fico sonhadora. Mais adolescente, impossível. Melhor voltar à realidade.

sexta-feira, agosto 12, 2016

Yoga Nidra

Fazia um tempão que tentava praticar meditação em casa e não conseguia. Quando sentava quieta em algum canto, a cabeça ia à loucura lembrando as vinte mil coisas que tinha pra fazer. Aí vinha o pensamento:
 - Se eu não escrever isso agora, nunca mais vou lembrar.
E lá se ia a tentativa de meditar.
Então busquei a meditação guiada. Essa funcionou bem melhor pra mim porque minha cabeça foca mais em alguma coisa.
Daí fiz uma aula de Yoga Nidra num festival e fiquei encantada. Eu estava ouvindo e ao mesmo tempo viajando. Saí bem mais leve.

E o que é Yoga Nidra? Do website Arte de Viver:

Yoga Nidra ou Sono Yogui é uma forma de meditação ou relaxamento que foi descoberta e ajuda a reduzir tensão e ansiedade. É um estado no qual estamos em sono profundo e ainda conscientemente alertas. É um meio termo entre o estado de vigília e o sono, onde nosso corpo está relaxado, mas nossa mente está trabalhando em um nível mais profundo e relaxando cada partícula do nosso corpo e mente. Em termos mais simples, em Yoga Nidra nossa mente testemunha o relaxamento do nosso corpo, submetendo-se, ela mesma, ao relaxamento .

Vale a pena batalhar?

Eu sei que faz parte da vida e não é uma questão de ser bom ou não mas acho muito louco o fato de que algumas pessoas na vida batalham pra caramba e acabam sem nada e outras mal fazem esforço e recebem tudo. Nem digo coisas materiais. Digo, o equilíbrio da vida mesmo. Mas quem disse que a vida é justa?

Poluição

Com a seca em Los Angeles há alguns anos, a qualidade do ar neste verão está péssima. Eu nunca tinha visto essa camada de poluição na cidade como vejo agora. E aí a vontade de partir cresce, claro. Cada vez mais necessidade de natureza na minha vida.
Continuo nesse dilema. Onde vou viver? Como vou viver? Como arranjar pique de começar do zero sem trabalho, amigos ou companheiro?

Aliás, a vontade de mudar de estilo de vida tem sido enorme há 2 anos (mesmo aqui na cidade) mas ainda não sei como. Quero arranjar companhia pra fazer mais coisas na natureza e está difícil de encontrar.

terça-feira, agosto 09, 2016

Livros

Sempre gostei de estar rodeada de livros e este mês estou aproveitando pra ver se leio mais porque comecei a ler 4 livros ao mesmo tempo mas falta terminar. Um dia eu consigo ler toda essa biblioteca aqui em casa.
Ano passado entrei pra um clube do livro mas nunca fui às reuniões porque estou concentrada nos livros de cura que tenho pra ler. Dá-lhe cura pra trabalhar.
A tribo dos jornalistas sempre teve o pé atrás com livros de auto-ajuda mas no momento é o que preciso.

Por falar em leitura, eu e meus alunos de Português Avançado lemos O Alquimista. Todo mundo sempre falou tão bem desse livro (menos os jornalistas que eu conheço). No começo até gostamos da mensagem e da história mas achei tão simplório e fraquinho. Acho que não sou muito chegada em Paulo Coelho não mas eu tinha que ler pra conferir.

Em compensação estou amando o livro O que sabem as pessoas felizes de Dan Baker. Um estudo sobre felicidade por um médico que fala de psicologia, terapia (e os erros), do movimento de pensamento positivo (e os erros). Acho técnico, preciso e super realista. Tem dados interessantes que falam de comunicação, de reação, de virtudes.

domingo, agosto 07, 2016

Miss Roubada

Era como o meu melhor amigo em Floripa me chamava. Digamos que gosto de aventuras e de repente é porque adoro resolver problemas.

Hoje fui levar minha cachorra pra passear. Sempre que faço isso, não tranco minha porta porque é coisa rápida. Mas eu tinha que pegar uma coisa na minha van e peguei a chave. Por força do hábito, chave na mão, casa trancada. Resultado: fiquei do lado de fora, sem telefone, carteira, dinheiro ou chave de casa.

Lembrei que tinha uma chave de casa extra no meu carro que estava na casa de um casal mas eu não tinha a chave do carro (também estava dentro da minha casa). Cheguei lá na casa dos meus amigos no meio de uma reunião. Ainda bem, porque uma das mulheres tinha o AAA (serviço de guincho) pra eu usar. Eles vieram, abriram meu carro e pude pegar a chave de casa.

Que saga! Se eu não tivesse essa chave extra, não sei como faria pra entrar em casa.

quarta-feira, agosto 03, 2016

Muita calma

Pra continuar o exercício de não se apavorar com mais nada, meu trabalho está super devagar esse ano e hoje eles me disseram que vão mudar meu status pra freelance.
Trabalho na empresa 10 horas por semana. Não é muito mas era uma ajuda. Agora nem isso.
Vixe!
O que vou fazer? Não sei mas não posso mais perder as estribeiras e voltar a pensar no trabalho da Nintendo que eu perdi. Vamos exercitar a arte de ser muito pobre e adquirir dívidas.

Uma hora a gente dá um jeito na vida.
Mas que é difícil manter a positividade assim, isso é.
Gente do céu, seja quem for a pessoa que rogou uma praga em mim, ela é poderosa.

ô Universo, me traz uma boa notícia, vai. Só uminha pra quebrar a rotina desses 3 anos.

Tentar colocar isso em prática:
"A paz não é chegar ao lugar onde você já não está emocionalmente destruída pelo amor (ou emocionalmente destruída por apagar o eterno sonho de ter a família que você nunca teve). Não é se tornar tão calma que você não sente mais o peso da perda. É o lugar onde você exerce a sua liberdade de colocar a sua energia na direção que você quer ir. Não é sobre a frequência com que sente desconforto, mas quantas vezes você é capaz de escolher vê-lo sem ser consumido."

terça-feira, agosto 02, 2016

Seguindo a corrente

1/1/1997 (ou 98) - Guarda do Embaú, SC
Eu e meus amigos da Lagoa achamos um terreno pra acampar e passamos o Reveillon lá. No dia seguinte eu e o Nico fomos pra praia e inventamos de nadar até uma bancada de areia. Era pertinho e parecia ser tranquilo, só que a tansa aqui caiu numa corrente. O Nico foi me ajudar e se ferrou também. Parecia tão fácil alcançar a bancada e tentamos por um tempo nadar contra a corrente até que o bicho pegou. Por um momento, nós dois achamos que íamos morrer até que um surfista nos colocou na prancha e nos levou pro outro lado. Na hora a gente não pensa que não teria passado tanto sufoco se simplesmente deixasse a corrente nos levar ao invés de lutar contra ela.

É hora de parar de nadar contra a corrente e deixar a vida me levar.

Hoje faz 2 anos que tive minha cirurgia. Parece que faz muito mais tempo. Mas mesmo com todas as dificuldades e a falta de apoio emocional, eu sobrevivi. Vamos seguindo em frente com um vídeo do Jason Silva.